Resenha: Do que estamos falando quando falamos de estupro / Sohaila Abdulali

Resenha: Do que estamos falando quando falamos de estupro / Sohaila Abdulali

Resenha 🌷

#resenhameuromeo

253 páginas || Sohaila Abdulali || @editoravestigio


Sinopse: Depois de sobreviver a um estupro coletivo aos 17 anos em Bombaim, Sohaila Abdulali ficou indignada com o silêncio ensurdecedor que se seguiu e escreveu uma coluna inflamada sobre a percepção acerca do estupro – e de suas vítimas – para uma revista feminina. Trinta anos depois, sem aviso, seu artigo voltou à tona e viralizou, na esteira do estupro coletivo ocorrido em Nova Deli, em 2012 (que resultou na morte da vítima), incentivando Abdulali a escrever outro artigo para o New York Times – que circulou amplamente – sobre o processo de cura de um abuso sexual. Agora, a autora apresenta Do que estamos falando quando falamos de estupro: um olhar profundo, generoso e inflexível sobre o estupro e a cultura do estupro.

Partindo de sua própria experiência, bem como de seu trabalho atendendo centenas de vítimas nos Estados Unidos, além de três décadas de trabalho intelectual feminista, Abdulali encara algumas das questões mais espinhosas sobre o tema. Em entrevistas com sobreviventes do mundo todo, ouvimos relatos emocionantes de força encontrada na adversidade, no humor e na sabedoria que contam, em conjunto, uma história maior sobre o significado do estupro e como a cura pode advir.

Abdulali também aponta questões sobre as quais não conversamos: Um estupro é sempre um evento que define uma vida inteira? Um estupro é pior do que outro? Um mundo sem estupros é possível?

Do que estamos falando quando falamos de estupro é um livro para a época de movimentos como #MeToo, #TimesUp e #MeuPrimeiroAssédio, que vai permanecer com seus leitores – tanto homens quanto mulheres – por muito, muito tempo.


Olá leitores, hoje trago a resenha do livro DO QUE ESTAMOS FALANDO QUANDO FALAMOS DE ESTUPRO, que eu recebi em parceria com a editora Vestígio.

Quando tinha apenas 17 anos, durante um passeio com um amigo, Sohaila Abdulali foi abordada e estuprada por quatro homens.

Este acontecimento acabou mudando totalmente sua vida para sempre.

Num mundo onde mulheres sofrem com o assédio e com o estupro todos os dias, Sohaila é uma sobrevivente.

E após uma matéria sobre o seu caso ter voltado a toda, mesmo depois de muitos anos, ela escreve um livro sobre o que estamos falando quando falamos de estupro.

⠀⠀⠀⠀

🌷Quando eu terminei esse livro eu respirei. Respirei de verdade, porque enquanto eu lia parecia que eu não conseguia respirar e acreditar em como as pessoas podem ser cruéis.

E um momento onde este assunto está em alta no Brasil, e que vem sendo discutido há alguns anos por causa do movimento #metoo , eu fico chocada em saber que muitas mulheres ainda sofrem com isso.

E neste livro ela fala sobre como o estupro é cruel para a vítima, para a família, e como uma vítima pode sofrer e que merece ter todo o apoio.

Durante a leitura, eu prendia a respiração e às vezes fechava o livro para refletir.

Este livro te faz refletir sobre tudo. Sobre como alguém pode cometer um ato tão cruel.

Nosso corpo, nossas regras. SIM.

Não é não! E sim é sim!

Ele fala sobre sobreviver. Que cada um que passa por uma situação dessas pensa e age de uma maneira e que só nos restar apoiar.

Não julgue, não mostre indiferença. Seja empático. Se coloque no lugar do outro. Denuncie. Não podemos nos calar.

Um livro que todo mundo deve ler e entender.

Leia, pare, respire, volte e faça o possível e o impossível para mudar isso.

Lançamento: Salvando a Mona Lisa

Lançamento: Salvando a Mona Lisa

Sinopse: No final de agosto de 1939, quando a guerra ameaçava eclodir na Europa, os curadores do Louvre guardaram o quadro mais famoso do mundo em um estojo especial forrado com veludo vermelho e o enviaram ao Vale do Loire, cerca de duzentos quilômetros ao sul de Paris. Assim começou a maior retirada de obras de arte e antiguidades da história. À medida que os alemães se aproximavam da capital em 1940, os franceses se apressavam para despachar as obras-primas cada vez mais ao sul, durante a guerra, cruzando todo o sudoeste da França.

Durante a ocupação alemã, a equipe do Louvre lutou para manter tesouros inestimáveis longe das mãos de Hitler e de seus seguidores e para manter o palácio do Louvre seguro, muitas vezes arriscando seus empregos e suas vidas para proteger a herança artística do país. Salvando a Mona Lisa é a história arrebatadora e cheia de suspense dessa batalha.

Resultado de uma pesquisa profunda e acompanhado por fotografias fascinantes daquele período, Salvando a Mona Lisa é uma envolvente história real de arte e beleza, intriga e sagacidade, e de uma coragem moral notável em face de um dos inimigos mais aterrorizantes da história.

 

 

“Fantástico… Esta é a história dos habitantes de um país humilhado que fizeram todo o possível para preservar a herança cultural de sua nação… As fotografias em preto e branco neste livro são, por si só, dignas de uma exposição de arte.”
Daily Mail

“O relato de Gerri Chanel sobre como a França preservou sua arte tanto da destruição da guerra quanto da pilhagem dos alemães se parece com um thriller.”
Caroline Moorehead, The Times Literary Supplement

“Um relato poderoso sobre os homens e as mulheres que lutaram para salvar o patrimônio da França, e uma história encantadora sobre arte e conspiração.”
France Magazine