Resenha: O Sorriso da Hiena / Gustavo Ávila

Resenha: O Sorriso da Hiena / Gustavo Ávila

o sorrisso da hiena

Resenha

O Sorriso da Hiena 

Gustavo Ávila

304 páginas  || Verus Editora


Sinopse: É possível justificar o mal quando há a intenção de fazer o bem? Uma trama complexa de suspense e jogos psicológicos Atormentado por achar que não faz o suficiente para tornar o mundo um lugar melhor, William, um respeitado psicólogo infantil, tem a chance de realizar um estudo que pode ajudar a entender o desenvolvimento da maldade humana. Porém a proposta, feita pelo misterioso David, coloca o psicólogo diante de um complexo dilema moral. Para saber se é um homem cruel por ter testemunhado o brutal assassinato de seus pais quando tinha apenas oito anos, David planeja repetir com outras famílias o mesmo que aconteceu com a sua, dando a William a chance de acompanhar o crescimento das crianças órfãs e descobrir a influência desse trauma no desenvolvimento delas. Mas até onde William será capaz de ir para atingir seus objetivos? Em O sorriso da hiena, o leitor ficará fisgado até a última página enquanto acompanha o detetive Artur Veiga nas investigações para desvendar essa série de crimes que está aterrorizando a cidade.


 

“E foi assim que os olhos da sua mãe, que sempre conseguiram dizer tudo sem precisar de uma palavra sequer, silenciaram para sempre ao som de uma arma de brinquedo.”

 

Uma série de assassinatos ocorrem com muita crueldade. Neles, há sempre um padrão  específico onde o assassino deixa sempre tudo na cena do crime em perfeita comparação. Duas cadeiras ocupadas pelos pais enquanto a criança, filho das vítimas, ocupa uma terceira cadeira. O assassino corta a língua do pai e mata a mãe com um tiro na cabeça. A criança é deixada onde está sempre com um detalhe, uma certa preocupação do assassino com a criança.
Nessa história conhecemos o detetive Artur e o psicólogo William. O psicólogo é famoso por sua tese intitulada  “Como se formam os adultos” onde fala sobre as fases das crianças e o que acontece com sua índole dependendo de como foi sua criação (convívio familiar). A partir daí  William começa a se comunicar com o assassino que está aterrorizando a cidade e perturbando a policia que não consegue encontrá-lo, o assassino quer convencer William a ajudá-lo em uma pesquisa parecida com a tese tão famosa do psicólogo. Artur, o detetive excêntrico, está no meio disso tudo tentando encontrar o assassino. E um detalhe importante é que, o assassino, David, também teve seus pais mortos da mesma forma, quando ainda era uma criança.
Quando eu digo que este livro choca, acredite em mim. O autor fala de uma forma crua sobre a natureza humana. A forma como o enredo é desenvolvido, me prendeu do começo ao fim. O detetive Arthur fez toda a diferença na trama. O livro tem uma narrativa bem construída e detalhista que te deixa imerso na história (devo ressaltar que a escrita do Gus me lembrou muito o Raphael Montes), com aqueles personagens bem marcantes e uma trama muito bem construída. O final de O Sorriso da Hiena tem uma reviravolta digna os melhores suspenses policiais que vemos por ai.

 

 

“Sabedoria não tem nada a ver com idade, David. Tem a ver com o que o mundo te dá e o que você aprende com isso.”